Wilson A. Ribeiro Jr.

Morte, de John Donne

O inglês John Donne (1572-1631), poeta, satirista e pastor anglicano, foi um dos mais proeminentes representantes da poesia metafísica inglesa. O poema conhecido por Death, originalmente sem título, foi escrito por volta de 1611.

Tradução

Morte, não fica orgulhosa, embora alguns te achem poderosa e temível. Não és assim. Esses que presumes ter derrotado, pobre morte, não morrem — e nem podes tu me matar. 5 Descanso e sono, imagens que só tuas podem ser, muito prazer e muito mais devem induzir, pois bem cedo nossos melhores homens contigo vão ter: descanso de seus ossos e entrega de suas almas. És escrava do Destino, da Sorte, de reis, de desesperados 10 e dos que convivem com veneno, guerra e doenças. Soníferos ou feitiços podem nos adormecer também, e melhor do que tu nos golpeiam. Porque te envaideces? Passado um curto sono, acordaremos eternamente, e a morte não mais existirá. Morte, tu morrerás.

Texto original +/-

Referência

E.K. Chambers (ed). Poems of John Donne, v. I: Holy Sonnets, X. London: Lawrence & Bullen, 1896, p. 162-3.

« Voltar

↑ ↑